Voleibol

Quatro entradas e uma renovação

A época 2018/2019 já mexe no Voleibol Clube de Viana. Após uma época de instabilidade, a direção do VCV procura que a próxima seja a antítese completa e prepara afincadamente que no regresso ao trabalho em agosto tudo esteja pronto e delineado. Para já, são quatro as entradas de atletas que vão fazer companhia a João Franco, que renova mais uma época.

Aos regressos de Miguel Cunha, Bruno Cunha (ex. Vitória SC) e Diogo Arriscado (ex. Vilacondense) junta-se José Belo (ex. Famalicense).

O Desporto em Viana esteve à conversa com os cinco atletas e quis saber o que os levou a decidir jogar pelo VCV e o que esperar da equipa e deles na próxima época.

João Franco, 31 anos, passador. Formação no Voleibol Clube de Viana e Leixões. Em sénior jogou pelo VCV, Caldas, Póvoa e Amares. Está há quatro épocas no VCV.

«Tenho forte ligação ao clube e quero ajudar a cidade. Sinto-me bem cá. Acho que a época passada foi mal planeada, de muita insegurança. Este ano vamos ter malta mais nova, mas experiente, que vem das seleções, que sabe treinar e estar. Acho que vai ser muito melhor em tudo. Com esta equipa não quero criar expetativas muito altas, mas aponto para os oito primeiros. Pessoalmente quero fazer melhor. Com esta malta dá mais vontade de treinar bem e melhor, temos equipa motivada para fazer grande época. A direção percebeu a necessidade de ter jogadores que entendam a mística do clube, com vontade e a querer ajudar a cidade.»

Bruno Cunha, 20 anos, oposto. Formação no VCV e Vitória SC. Internacional AA.

«Vi este regresso como uma boa oportunidade. Estava com vontade de voltar e ajudar o clube. Depois de um ano um bocado atribulado pensei em escolher algo que gostasse e onde me sentisse outra vez feliz a jogar. Surgiu uma boa oportunidade no VCV, com pessoas que sabem o que estão a fazer, que confio e estou cheio de vontade de começar este ano e fazer uma época engraçada. Dependendo da forma como trabalharmos podemos sonhar com algo mais que a manutenção, mas o mais importante é garantirmos logo a manutenção. Quero progredir e jogar pela seleção.»

Miguel Cunha, 20 anos, Zona 4. Formação no VCV e Vitória SC. Internacional camadas jovens.

«Este regresso vem numa altura perfeita. Acabei um ciclo, terminei a licenciatura e sentia-me mais disponível. Passei alguns anos com tempo de jogo mais reduzido e aqui posso ter mais espaço para me impor como jogador, com um conjunto de pessoas que gosto muito e com quem nunca perdi o contacto. É um prazer voltar. Espero ter uma equipa competitiva, que acho que vamos ter, pois a direção está a fazer um bom trabalho, criando um grupo de trabalho para os jovens evoluírem ao lado de atletas mais velhos como o João Franco. Espero que seja um bom ano, sem medo de olhar para cima mas com os pés assentes.»

Diogo Arriscado, 26 anos, libero. Formação no CV Póvoa. Em sénior jogou por Famalicense, Castêlo da Maia, VCV e Vilacondense.

«O VCV é um clube que representei quando estava na segunda divisão, onde se juntou um grupo com objetivo de subir, formado por malta da casa. Fiz o primeiro ano na I divisão, onde asseguramos a manutenção. No ano passado, por razões profissionais, tive de jogar mais perto de casa. Este ano, com alguns regressos a Viana, está-se a construir um bom grupo, que me motivou também a regressar, e onde acredito que se vão criar condições para se fazer uma época tranquila. Acredito que seja possível assegurar desde logo a manutenção nos oito primeiros e depois o que vier é por acréscimo. Quero ajudar a equipa no que poder e em termos individuais continuar a evoluir.»

José Belo, 18 anos, central. Formação na Académica Espinho, Academia Zé Moreira e Famalicense. Primeiro ano de sénior. Internacional nas camadas jovens e tem sido chamado à AA.

«Tive várias propostas, mas a do VCV foi a que mais me aliciou pelo projeto. Acho que para primeiro ano de sénior, tenho muito para mostrar. Vai fazer bem ir para um clube que jogue e tenha um bom registo competitivo. Como central sou relativamente baixo, tenho 1,92 por isso tenho de ser mais rápido e conseguir ler melhor o jogo. Espero evoluir e sei que ainda tenho muito que mostrar. Vou dar uma boa imagem no primeiro ano na 1.ª divisão. Acredito que esta época vai correr bem.»

 Topo